Sociedade Musical Capricho Setubalense

 

Sociedade Musical Capricho Setubalense

 

No final do Antigo Regime, as mudanças políticas e económicas verificadas ditaram uma alteração das práticas culturais em Portugal. A Igreja limitou-se à liturgia e a Cultura saiu do domínio doméstico dos salões aristocráticos para ocupar o espaço público. O desenvolvimento das grandes urbes e o crescimento de uma próspera burguesia urbana que procurava copiar os modelos das cosmopolitas capitais europeias impulsionaram a criação de bandas filarmónicas. Neste contexto, na Setúbal recém-elevada a cidade, é fundada, em 22 de novembro de 1867, a Sociedade Musical Capricho Setubalense e a sua Banda de Música.
A Capricho Setubalense é uma associação cultural que tem por objeto a promoção da criação e da fruição cultural e artística, em especial da música. A associação está sediada no coração do centro histórico da cidade e tem construído uma relação estreita com este território e com os agentes que sobre ele intervêm. Não obstante, pela sua oferta singular e como polo de atração cultural, foi sempre uma associação da cidade, como o revela a dispersão dos seus associados e públicos pelos diversos núcleos urbanos de Setúbal.
Fiel ao código genético da sua herança de 145 anos de história e de atividade, a Capricho Setubalense mantém em intensa atividade a sua Banda de Música e o seu Grupo de Teatro, cuja tradição na vida da associação e da cidade ultrapassa a centena de anos. Do mesmo modo, a sua Escola de Música constitui-se como pedra angular na promoção e democratização do ensino da música. Complementam estas atividades regulares a oferta na área da dança, com diversas classes e estilos.
Nos últimos anos, o incremento da atividade cultural em Setúbal impeliu a Capricho Setubalense a abrir o seu espaço às novas tendências da criação artística, às demais entidades associativas e estruturas culturais, assim como aos crescentes grupos informais, especialmente de jovens. Bandas de garagem de distintas expressões musicais, artistas plásticos, músicos, grupos de teatro e de dança, associações de diversa natureza e estudantes encontraram na Capricho, mais do que um espaço de acolhimento, um parceiro disponível para a construção de projetos culturais conjuntos. A programação cultural dos espaços da Capricho Setubalense tornou-se um exercício inultrapassável, com uma oferta regular intensa nas mais variadas manifestações artísticas, e o trabalho em parceria, uma regra.
A criação da Casa da Cultura de Setúbal, projeto do qual a Capricho Setubalense é uma das entidades parceiras do Município, constituiu-se como uma ampla oportunidade que se vem confirmando nos escassos meses que já tem de atividade. Uma oportunidade para alargar a oferta educativa da Escola de Música da Capricho a novos instrumentos musicais e ao público infantil. Uma oportunidade para convergir artistas e criadores de distintas expressões para um equipamento multifacetado que funciona cumulativamente como balão de ensaio e montra do trabalho artístico que se desenvolve na cidade e na região. Uma oportunidade para unir estruturas culturais e associativas sob o epíteto da criação cultural em parceria, em rede e multidisciplinar. Uma oportunidade para convocar novos e renovados públicos, dos mais jovens aos mais vividos, incluindo os que redescobrem em Setúbal uma dinâmica criadora e criativa que julgavam adormecida. Uma oportunidade para criar e consolidar um novo e inovador modelo de governância para um equipamento cultural.