Sérgio Bráz D`Almeida – Still(H)e(a)ven

Still(H)e(a)ven é um projecto on going construído durante residências artísticas em Góis, Lisboa, Setúbal, Montemor-o-Novo (oficinas do convento), Arraiolos (Cortex frontal) e La Gomera (casa Tagumerche).

Durante este trabalho, desenvolvido ao longo de 2 anos, debrucei-me sobre um género que penso ter caído em desuso na arte contemporânea, mas que permanece enraizado na nossa memória. 

Desde o início o objectivo deste trabalho foi sempre levantar questões sobre a contemporaneidade através dos objectos que consumimos, através de uma espécie de “Pegada Humana” de um certo tempo, de uma certa geração. 

Still(H)e(a)ven é a desconstrução da palavra Stilleven; palavra holandesa utilizada para denominar uma corrente artística muito popular durante os séc. XVI e XVII, em Português: Natureza-morta. Desde então, até aos dias de hoje, diferentes artistas se debruçaram sobre este género. Embora não seja possível observar a figura humana nestes quadros, eles acabam por ter grande valor antropológico, na medida em que nos permitem reflectir como evoluíram os objectos que utilizamos ou damos importância, ao longo do tempo.

Still + Heaven 

Still é uma palavra etimologicamente inglesa, normalmente utilizada como adjectivo (aquilo que não muda), mas também utilizada para se referir a uma fotografia retirada de um filme (frame).
Se por um lado uma fotografia ou um fotograma cristalizam uma imagem no tempo, tornando-a assim perene, por outro a inevitabilidade do avançar do tempo e da mudança dos hábitos humanos acaba por realçar a efemeridade das coisas. 

É nesta ideia de Heaven (céu / paraíso) que muitas vezes nos perdemos, será que somos nós que possuímos estes objectos ou serão eles que nos possuem e representam?”

Sérgio Bráz D`Almeida 

Esta é uma exposição que inaugurou no início de janeiro e que, devido às circunstâncias, resolvemos “mostrar” aqui no Dentro de Casa.

Dentro de Casa Seguinte

© 2021 Casa da Cultura, Setúbal